Folhapress | 7 de outubro de 2018 - 18h32

Ratinho Junior, do PSD, é eleito governador do Paraná

Nas eleições deste domingo (07), ele superou outros nove candidatos e assumirá o posto a partir de 1º de janeiro de 2019

Filho do apresentador Ratinho, o deputado estadual Ratinho Junior (PSD) foi eleito o novo governador do Paraná neste domingo (7), no primeiro turno. Em segundo lugar, ficou a atual governadora, Cida Borghetti, (PP).

Ex-secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Ratinho, 37, fez uma coligação com nove partidos, e se uniu a nomes de fora da política, como o candidato a senador Oriovisto Guimarães, professor e fundador do Grupo Positivo.

Eleito deputado aos 21 anos, o pessedista se posicionou como o "novo" e criticou a "velha política". Entre suas promessas, estão enxugar a máquina pública, vender prédios do governo, rever a carga tributária e investir em energia eólica.

Adversários levantaram suspeitas sobre os veículos de comunicação da família, dona de emissoras de rádio, TV e fazendas, entre outros negócios, no estado. Em 2012, uma das emissoras foi condenada pela Justiça Eleitoral por favorecer Ratinho Junior, então candidato à Prefeitura de Curitiba, durante o noticiário. Mas nenhuma decisão semelhante foi tomada neste ano.Retransmissora do SBT no Paraná, a Rede Massa, de propriedade da família, decidiu não promover o debate entre os candidatos ao governo, para evitar acusações de parcialidade.A campanha de Junior ainda contou com o incentivo do pai, o apresentador Ratinho -que teve sua participação em comícios restrita pela Justiça Eleitoral.

O TRE entendeu que sua presença estava sendo propagandeada como a de uma celebridade, para atrair público. O candidato recorreu e disse que estavam tentando "crucificar um pai".

Já Cida, 53, que era vice do ex-governador Beto Richa (PSDB) e assumiu o governo em abril, como a primeira mulher a comandar o Paraná, prometeu investir em segurança, combater a corrupção e fazer novas licitações para os contratos de pedágio, que são investigados pelo Ministério Público Federal por suspeita de desvios.

Ela é mulher do ex-ministro da Saúde Ricardo Barros (PP), candidato à reeleição na Câmara Federal e principal articulador de sua campanha.Adversários a acusaram de uso da máquina pública e abuso de poder. Uma proposta de benefícios fiscais em setembro, da qual o governo recuou, chegou a ser investigada pela Procuradoria Regional Eleitoral.

Da mesma forma, uma "intervenção" nas empresas de pedágio, anunciada a três dias da eleição, é alvo de apurações do órgão. Coronéis reformados da PM foram destacados para fiscalizar as empresas em suas sedes e, eventualmente, em praças de pedágio. O governo nega intenção eleitoral.

Tanto Cida quanto Ratinho passaram a campanha tentando se descolar do ex-governador Beto Richa, de quem foram aliados (Cida, como vice-governadora, e Ratinho, como secretário).

O tucano foi preso temporariamente durante a campanha, acusado de desvios em obras públicas -ele nega irregularidades e diz ser vítima de uma ação política.Cida rifou o antigo aliado, e pediu a exclusão da candidatura do tucano da chapa. Já Ratinho afirmou não ter compromisso com ninguém. Com informações da Folhapress. 

 
Subir ao TopoVoltar
PlataformaPlataforma de Notícias DothNews