Tero Queiroz | 9 de janeiro de 2018 - 11h00

Pesquisa revela que eleitor de Bolsonaro é conservador, tem bons salários e nível superior

"Bolsonaro só tem chance se Lula não entrar na corrida pela presidência; ainda lhe restão encarar nomes do PSDB e João Dória"

As pesquisas de opinião pública estão sugerindo que Jair Bolsonaro (PSC-RJ) pode ser a grande novidade eleitoral na eleição presidencial de 2018. Assim será em razão de que ele é um outsider e representa onda conservadora presente e observada na eleição municipal de 2016.

A tese apresentada deve ser encarada como hipótese. Portanto, ela deve ser comprovada ou falseada. A realidade vigente sugere que a tese será falseada na eleição de 2018 ou já nasceu com incapacidade de adquirir veracidade. O Bolsonarismo tende a não surgir em virtude do discurso extremado do seu ator. E foi este tipo de discurso que fez nascer indícios de que o Bolsonarismo será uma realidade.

O Bolsonarismo só tem chance de vingar na vindoura eleição presidencial, caso duas condições estejam postas concomitantemente: 1) Enfraquecimento por completo do Lulismo; 2) Ausência do Dorismo ou de um candidato do PSDB na disputa presidencial. Caso estas condições não estejam postas, as quais precisam estar presentes simultaneamente, volto a repetir, o Bolsonarismo tende a ser incipiente e não uma realidade.

Jair Bolsonaro não é outsider. Quem assim o ver, comete equívoco conceitual. Bolsonaro tem diversos mandatos de deputado federal e tem filhos na política. Um candidato outsider é um estranho à atividade política. Bolsonaro tem carreira política.  Como bem mostrei em artigo recente, no qual apresento variados dados, não existe onda conservadora no Brasil. Os resultados da última eleição municipal sugere que o status que foi mantido por consequência da escolha dos eleitores.

Pesquisa realizada pelo Instituto Uninassau na cidade do Recife, nos dias 17 e 18 de abril, sugere quem são os eleitores de Jair Bolsonaro. Destaco, contudo, que a pesquisa só foi feita na capital pernambucana. Mas ela contribui para identificarmos o perfil dos bolsonaristas. A pesquisa revelou que o ex-presidente Lula tem 34% de intenções de voto. Seguido de Bolsonaro, com 7%.

A tabela 1 mostra que os bolsonaristas têm renda acima de 5 salários mínimos. Ao contrário dos lulistas. Os eleitores do ex-presidente Lula são, majoritariamente, de baixa renda. A tabela 2 revela que os eleitores de Bolsonaro têm, em sua maioria, nível superior, como bem revelou recente pesquisa Datafolha realizada em todo o território nacional. Os lulistas têm nível de instrução menor.

Foto:Reprodução    Foto: Reprodução 

 A pesquisa da Uninassau revelou que 49% dos eleitores recifenses se consideram liberais. E 44% tradicionais. Os eleitores tradicionais estão concentrados no universo de maior renda. Bolsonaro obtém 9,5% de intenção de votos entre os eleitores tradicionais. E 3,9% no universo dos eleitores liberais. O ex-presidente Lula tem 42,8% entre os eleitores liberais e 25,5% no universo dos tradicionais.

Foto: Reprodução  Foto: Reprodução 

Devo dar o benefício da dúvida para o eleitor quanto à capacidade dele definir em qual espectro pertence, se liberal ou conservador. Contudo, como o Bolsonarismo tem mais adeptos no eleitor conservador, tenho a hipótese de que o eleitor deve “achar” o que é ser conservador.

Portanto, o que a referida pesquisa sugere é que os eleitores de Bolsonaro são conservadores, tem maior nível de instrução e maior renda. Ao contrário dos eleitores do ex-presidente Lula. Tal caracterização me faz concluir que: O Bolsonarismo, assim como o Dorismo, é manifestação incipiente contra o Lulismo. Porém, o Bolsonarismo só deixará de ser incipiente, caso o Dorismo, representado por João Doria, não venha a existir ou o PSDB não apresente outro candidato.

 

 
Subir ao TopoVoltar
PlataformaPlataforma de Notícias DothNews