MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS
Moshe Feiglin, líder do partido Zehut, durante visita a mercado de Jerusalém
REUTERS | 9 de abril de 2019 - 09h05

Liberal de extrema-direita e defensor da maconha pode ser fiel da balança em Israel

Apoio de Moshe Feiglin pode ser decisivo na formação de uma coalizão de governo após as eleições

 A plataforma política de Moshe Feiglin pode ser apenas uma ilusão — uma mistura inebriante de legalização da maconha e reconstrução de um templo bíblico — mas o candidato de extrema-direita pode ser o fiel da balança na eleição de terça-feira (09) em Israel.

Atraindo votos de eleitores jovens, o novo partido Zehut, de Feiglin, disparou nas pesquisas, que estimam que a legenda obterá até 6 das 120 cadeiras do Parlamento e poderá alterar o equilíbrio da montagem de uma coalizão que se seguirá à votação.

Nenhum partido isolado jamais teve maioria no governo de Israel. Nem o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, da sigla Likud, de direita, nem Benny Gantz, do partido de centro Azul e Branco, recebeu promessas públicas do Zehut de que este ficará ao seu lado quando tentar compor um governo.

Feiglin disse que suas condições aos dois rivais são a legalização da maconha e o controle do Ministério das Finanças, por meio do qual quer cortar os impostos corporativos e eliminar as taxas alfandegárias.

Ex-membro do Likud que tentou sem sucesso assumir a liderança de Netanyahu, o libertário Feiglin, de 56 anos, postula mercado livre e a legalização da maconha, enquanto seu plano para os palestinos está em segundo plano.

Suas políticas de extrema-direita pedem a anexação da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, incentivos monetários para os palestinos emigrarem e a eventual construção de um terceiro templo judeu no local sagrado de Jerusalém que já foi o cenário de dois templos bíblicos.

O complexo, reverenciado pelos judeus como Monte do Templo e pelos muçulmanos como Santuário Nobre, abriga as mesquitas de Al-Aqsa e do Domo da Rocha, e é um dos locais mais polêmicos do conflito israelo-palestino.

— Minha solução é justiça, porque esta é a terra de Israel, não a terra de Ismael: é a terra do povo judeu —disse ele à Reuters.

Mas é sua defesa da legalização da maconha para fins recreativos que parece ter empolgado eleitores jovens de Israel, onde a erva é popular.

— Uma de suas pautas principais é a legalização, um mercado livre e a liberalização em geral. Não posso dizer que olhei cada linha de sua plataforma, deixei isso para o meu pai — disse Ofir Avisar, de 22 anos, que trabalha em um quiosque de cigarros de um shopping center de Jerusalém.

Outros são atraídos pela defesa de Feiglin de um governo pequeno.

— A maconha é uma parte pequena do seu charme — disse Uriya Peled, professor de 27 anos que foi ouvir Feiglin falar em um bar de Rishon Lezion, cidade próxima de Tel Aviv. — Não me considero de direita, esquerda ou centro, só quero liberdade.

 
Subir ao TopoVoltar
PlataformaPlataforma de Notícias DothNews