Movimentação das equipes policiais em um dos endereços alvos da operação
Geisy Garnes/ Reproduzida por Tero Queiroz | 22 de novembro de 2018 - 11h38

Operação conjunta na fronteira visa o combate a quadrilha fornecedora e destribuidora de drogas

O ponto de partida da investigação foi à apreensão de aproximadamente duas toneladas de maconha em Garopaba, Santa Catarina

Policiais civis de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, realizam na manhã desta quinta-feira (22) operação contra tráfico de drogas na fronteira do país com o Paraguai. Um mandado de prisão e três de busca e apreensão são cumpridos em Ponta Porã - a 323 quilômetros de Campo Grande.

Segundo informações do G1 do Rio Grande do Sul, mais de 200 policiais foram às ruas de várias cidades dos três estados durante a “Operação ALL IN” para desarticular uma quadrilha responsável por vender toneladas de drogas a facções do Rio Grande do Sul. A ação cumpre 46 mandados de busca e apreensão, 35 de prisão preventiva e 11 medidas cautelares.

Os traficantes, conforme a polícia, cultivavam plantações de maconha na região de fronteira com o Paraguai e usavam Mato Grosso do Sul como rota de transporte para a droga. Para o Estado, foram decretados três mandados de busca e apreensão e um de prisão, todos em Ponta Porã.

Conforme apurado pela Campo Grande News, o alvo da operação em Mato Grosso do Sul não foi encontrado e teria fugida para o Paraguai. Três delegados e 15 investigadores participaram das ações nesta manhã.

Até o momento foram presas 15 pessoas, seis armas, sete veículos de luxo, drogas, R$10.600,00 e US$ 600,00.

Investigação

O ponto de partida da investigação foi à apreensão de aproximadamente duas toneladas de maconha em Garopaba, Santa Catarina. Na época foram apreendidos diversos veículos de luxo e dinheiro, que somaram cerca de R$ 80.000,00.

Após aproximadamente 10 meses de investigação, a Delegacia de Polícia Civil de Garopaba conseguiu identificar 46 integrantes de uma complexa organização criminosa que atuava nos três estados brasileiros. Os policiais apuraram ainda que em 04 meses o grupo negociou aproximadamente R$ 2 milhões em drogas.

Nesta manhã, a ação resultou na prisão de Ricardo Benítes Porto, conhecido como Playboy, considerado um dos líderes da quadrilha. Ele estava montando uma pousada em Imbituba, em Santa Catarina, e era o responsável por negociar as drogas com facções.

O nome “ALL IN” faz alusão a uma jogada de Poker onde se aposta todas as fichas para ganhar de todos os seus oponentes numa única rodada, sendo este o objetivo da operação, que tem como foco desmantelar numa única ocasião toda uma organização criminosa.

Fonte: Campo Grande News. 

 
Subir ao TopoVoltar
PlataformaPlataforma de Notícias DothNews