Mestrando em Biotecnologia pela UCDB, Lucas Bianchi Nunes
Michele Moraes | 9 de maio de 2018 - 20h50

Mestrando da UCDB identifica no veneno do escorpião amarelo proteína capaz de combater bactérias

“Desenho racional de peptídeos antibacterianos análogos a toxina do escorpião Tityus sp” foi o tema abordado por Lucas Bianchi Nunes, mestrando do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia da Universidade Católica Dom Bosco. Nesta terça-feira (8), o discente defendeu a dissertação desenvolvida com base na pesquisa em uma das salas do bloco Biossaúde.

Ao apresentar o estudo, Lucas explicou que identificou na toxina do escorpião amarelo (Tityus serrulatus), muito comum em Mato Grosso do Sul, uma proteína com atividade contra bactérias. Em laboratório foi feita uma mudança na estrutura físico-química dessa partícula que lhe potencializou o efeito. A partir daí, sob a orientação do professor Dr. Ludovico Migliolo, ela foi testada contra seis bactérias que causam doenças em seres humanos.

“A molécula foi eficaz, principalmente, contra três tipos de bactérias: Escherichia coli e a Enterococcus faecalis, responsáveis por causar infecções urinárias e intestinais, e também contra a Staphylococcus aureus, uma das principais causadoras de infecção hospitalar,  além de ser responsável por provocar infecções na pele e intoxicação alimentar”, esclareceu Lucas.

Com a descoberta, o mestrando acredita que um dia essa partícula potencializada pode ser transformada em um antibiótico e ajudar a curar muitas pessoas. “Sou enfermeiro. Nesta área tenho contato com pacientes gravemente doentes e sempre quis trazer um pouco de conforto para essas pessoas. Foi isso que me fez pesquisar a respeito do tema. Quero que as pessoas tenham condições de tratamento”, comentou o mestrando.

Junto com o orientador do trabalho, professor Ludovico, participaram da banca avaliativa a professora da Católica Dra. Maria Claudia da Silva e professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS),Dra. Simone Maria Neto. Para obter mais informações sobre o Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia, entre em contato por meio do número (67) 3312-3768.

Texto sob supervisão de Natalie Malulei.

 
Subir ao TopoVoltar
PlataformaPlataforma de Notícias DothNews