MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS
GABRIELA COUTO | 7 de janeiro de 2019 - 14h32

Filhotes de araras começam a sair de seus ninhos e aprender a voar nesta época

Especialista afirma que aves fizeram de Campo Grande uma verdadeira maternidade

Chegou o momento mais importante para as “ararinhas” dos ninhos urbanos de Campo Grande: aprender a voar. Considerada a Capital das araras-canindé, o Instituto Arara Azul realiza o monitoramento dos bebês que já estão prontos para tomar coragem de usar suas asas e ganhar o céu da cidade.

“As araras fizeram daqui uma maternidade. Estão se reproduzindo em grande escala. Já temos 189 ninhos cadastrados”, conta a Presidente do Instituto Arara Azul e professora doutora em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Uniderp, Neiva Guedes.

Neste novo ciclo reprodutivo 81 ninhos tiveram ovos e filhotes. No entanto, a possibilidade de haver mais não está descartada. Todo ano novos ninhos são descobertos e avisados pela população. A instituição não consegue monitorar todos.

“Não damos conta. Também não sabemos até quando vai durar isso. Mas as notícias são boas”, acrescenta Neiva. Em mais de uma década de trabalho já foram registradas a reprodução de 300 indivíduos em Campo Grande.

A instituição acompanha a alimentação e a adaptação das aves na cidade, que vieram após o desmatamento e queimadas nas zonas rurais. Os animais são medidos e microchipados. Também recebem uma anilha para serem catalogados. Já há inclusive registro de bebês de araras que são fruto de mães que nasceram na Capital.

Para que este ciclo sempre se renove este momento de aprendizagem do vôo exige cuidados. “As pessoas tentam ajudar quando os filhotes caem. Mas os pais nunca abandonam. É importante orientar a população para que deixe a natureza fazer a parte dela”.

O único perigo neste caso é para quem tem cachorro e gato em casa. As ararinhas precisam do espaço livre e sem riscos de serem atacadas por outros bichos predadores. Quem quiser receber orientação ou avisar sobre um ninho ainda desconhecido pelo instituto, basta ligar para o telefone (67) 3222-1205.

 
Subir ao TopoVoltar
PlataformaPlataforma de Notícias DothNews