Tero Queiroz | 9 de março de 2018 - 14h10

Espetáculo 'Guardiões' - Sinopse

'Confira a ficha técnica e sinopse do espertáculo'

O Espetáculo “GUARDIÕES”, foi construído coletivamente, por meio de um trabalho de estudos e pesquisas sobre o pantanal sul-mato-grossense, o impacto e consequências da ocupação humana tanto no ecossistema, quanto nas relações sócio culturais.

A encenação apresenta um pantanal sui generis, provocando questionamentos na plateia. Os habitantes possuem uma relação simbiótica com o território que habitam e que, gradativamente, vão sendo expulsos da região. Os personagens sentem-se em desequilíbrio, assim como todo o ambiente, e enfrentam dificuldades com o novo sistema que se estabelece. A nova realidade que se impõe no território, fere as estruturas econômicas e sociais: o pantaneiro vislumbra a falência do seu mundo.

É uma encenação limpa, seca, que apresenta o modelo de “desenvolvimento” oferecido à nossa sociedade pelo sistema econômico vigente no mundo. O universo abordado é retratado de forma sintética: o cenário virtual, infinito e neutro, as cores só aparecem ao longe. Os atores são personagens que quase se confundem com o cenário, são quase invisíveis, a dureza do território está entranhada em seu modo de ser, de lutar, possuem uma simbiose bem peculiar e, ora animais, ora homens, vivem nesse cenário chamado pantanal, muito embora o tema tratado seja sério, há momentos lúdicos, delicados e também com toques de ironia e sátira.

“GUARDIÕES” nos apresenta três personagens que vivem simbioticamente nesse terrunho e agora tratam de entender e interagir “como de costume” num ambiente em que as tradições estão mudando ou desaparecendo vertiginosamente. A incerteza frente a esta nova realidade e o sentimento de abandono os une numa conjunção única de desesperança.

Além do texto escrito por Lu Bigatão, a obra também conta com a contribuição de textos elaborados pelo elenco. Lu Bigatão agora exercita seu oficio como dramaturga e cúmplice, dentro do espírito do coletivo-elenco, de levar à cena o trabalho de sua autoria.

“Como grupo estamos buscando caminhos para a criação e interpretação de textos de dramaturgos que contem a nossa história e nossa cultura. Se diz que não há teatro sul-mato-grossense porque não há dramaturgia aqui. Estamos nesta busca, há muito “ouro” para garimpar”.

Ficha técnica:

Direção: Roma Román

Dramaturgia: Lú Bigattão

Produção: Fernanda Kunzler

Elenco: André Tristão, Fernanda Kunzler e Yago Garcia

Preparação de elenco: Leandro Melo

Cenografia: Márcia Gomes

Vídeo cenário: Maíra Espindola e Rafael Mareco

Ilustrações: Rubén Dario Román Añez

Técnico som e Projeção: Ewerton Goulart

Iluminação/concepção: Anderson Lima – Técnico: Leonardo de Castro

Fotos: Helton Perez

Duração: 45 minutos

 

 

 
Subir ao TopoVoltar
PlataformaPlataforma de Notícias DothNews